Controle de Tráfego Aéreo Virtual… O outro lado da aviação virtual!

Na edição de Agosto, o artigo sobre simulação aérea foi da autoria do Miguel Silva e incidiu sobre o controlo de tráfego aéreo virtual. A história do controlo de tráfego aéreo virtual até aos nossos dias, o futuro, as várias redes, etc. O AirSim como já é hábito, publica o artigo online para que não tem possibilidades de adquirir o Jornal.

Controle de Tráfego Aéreo Virtual… O outro lado da aviação virtual!

Um pouco de história
Após o lançamento do Microsoft Flight Simulator 95, ocorrido no Verão de 1996, um novo horizonte se abriu aos “simmers” de todo o mundo uma vez que o Flight Simulator deixou de ser um programa fechado permitindo que através de um módulo de funções, na altura chamado FS6IPC.DLL, aplicações externas pudessem com ele comunicar e interagir. Naturalmente começaram a aparecer programas que aproveitando esta nova capacidade adicionavam novas funcionalidades aos aviões do Flight Simulator, cenários com novas capacidades e utilitários que permitiram no seu conjunto aproximar ainda mais o Flight Simulator da realidade.
De entre todos estes “add-ons” ao Microsoft Flight Simulator há um que se destaca pela revolução que veio trazer ao mundo da aviação virtual. Com ele o conceito que até então havia de “aviação virtual” foi renovado e a “aviação virtual” deu lugar ao “espaço aéreo virtual” um “céu virtual” no qual diariamente voam e controlam virtualmente centenas de pessoas ao redor do mundo!
O SquawkBox/ProController é um “package” composto por 3 programas distintos; SquawkBox Server, SquawkBox e ProController, criado pelo americano Jason Grooms em 1997. Através do SquawkBox Server e ligados a uma rede TCP/IP (como a Internet por exemplo) pilotos, utilizando um simulador de voo em conjunto com o SquawkBox, podem interagir com controladores de tráfego aéreo que utilizando o ProController, e também ligados ao SquawkBox Server via uma rede TCP/IP, vêem os voos que os pilotos estão a realizar num écran RADAR criado por aquele programa.
No inicio o sistema era rudimentar pois o SquawkBox Server não permitia a ligação a outros SquawkBox Servers, o que obrigava a que pilotos e controladores para se verem terem de estar ligados ao mesmo SquawkBox Server, e não permitia a existência de condições atmosféricas reais, podíamos criar uma situação atmosférica parametrizada mas esta variava de acordo com um algoritmo do servidor e não de acordo com METAR ou qualquer outra informação real. A comunicação entre os participantes, pilotos e controladores de tráfego aéreo, era exclusivamente feita por “chat”!
Mesmo tendo à partida os “handicaps” que referi a adesão ao sistema foi extraordinária e no espaço de poucas semanas já se encontravam espalhados pelo mundo alguns SquawkBox Servers, o primeiro SquawkBox Server europeu foi justamente instalado em Portugal, que alguns milhares de entusiastas enchiam regularmente. O crescimento exponencial do número de participantes e os primeiros problemas por isso criados levaram a que nos finais de 1997 algumas pessoas começassem a trabalhar no sentido de dotar esta actividade de alguma organização. Assim nasceu a SATCO, acrónimo de Simulated Air Traffic Control Organisation, fundada por Randy Whistler, Harvey Stein e Ray F. Jones cujo o propósito era fundar um grande “céu virtual mundial” e ao mesmo tempo formar e organizar todos o que o quisessem utilizar.

Para que os objectivos da SATCO se tornassem uma realidade todo o “software” original teve de ser melhorado e para isso foram criadas equipas de desenvolvimento lideradas respectivamente por Martin Bochane (SquawkBox Server), Joe Jureka (SquawkBox) e Jason Grooms (ProController). O trabalho dessas equipas saldou-se pelo aparecimento de novas versões do SquawkBox Server, do SquawkBox e do ProController.
O novo SquawkBox Server permitia agora o controle de acessos, garantindo assim que quem se ligava ao sistema estava devidamente identificado e qualificado para o fazer, a interligação com outros SquawkBox Servers, permitindo assim a criação de uma verdadeira rede onde pilotos e controladores de tráfego aéreo ligados a diferentes SquawkBox Servers se pudessem ver quando na mesma área geográfica, e finalmente a actualização das condições atmosféricas baseada em dados reais que o sistema introduziria na rede.
Em 1998 começaram a aparecer os primeiros programas de comunicação por voz, nomeadamente o RogerWilco e o Battlefield Communicator, e rapidamente foram adoptados pela SATCO para que, ainda que não abdicando do chat, a comunicação por voz fosse utilizável. A selecção natural fez-se e o RogerWilco acabou sendo o eleito e ainda é hoje o principal suporte de voz no controle de tráfego aéreo virtual.

Os “céus virtuais”
Em termos organizativos a rede original, a SATCO sobre a qual já aqui escrevi, manteve-se hegemónica até aos finais de 1998 altura em que parte da sua estrutura europeia resolveu abandonar aquela organização e criar uma rede nova, a IVAO acrónimo de International Virtual Aviation Organization. Com esta cisão o sonho de muitos que acalentavam a ideia de ter um céu único, como acontece na realidade, caiu por terra e deste modo passaram a estar disponíveis dois céus para a aviação virtual.
Embora à partida tenha existido algum atrito entre as organizações, SATCO e IVAO, cedo se percebeu que existiam numa e noutra diferentes conceitos e ideias sobre o funcionamento do espaço aéreo virtual o que em certa medida trouxe uma vantagem pois passou a ser possível para pilotos e controladores escolher qual das organizações se enquadra melhor dentro dos objectivos a que se propõem quando voam ou controlam online. Entretanto em 2000 a SATCO foi re-estruturada e renomeada VATSIM, acrónimo de Virtual Air Traffic Simulation Network.
No ano de 2001 apareceu uma terceira rede, a NVAS acrónimo National Virtual Aviation Society, resultante de uma cisão interna da IVAO. Esta rede tem no entanto pouca expressão em comparação com a VATSIM e IVAO. Na altura em que escrevo este artigo a VATSIM tem 60.949 utilizadores registados, a IVAO tem 35.378 e a NVAS tem 79.
Em termos nacionais apenas a VATSIM e a IVAO estão representadas através de organizações locais; Portugal-VACC (VATSIM) e IVAO-PT (IVAO).
Além das tarefas dedicadas ao controle de tráfego aéreo virtual estas organizações têm também uma componente social uma vez que são veículos do conhecimento aeronáutico, mantendo “mailists” e/ou “fóruns” para troca de experiências e conhecimentos, e de relações humanas promovendo encontros e convívios entres os seus membros.

O futuro
Neste momento o controle de tráfego aéreo virtual encontra-se num ponto de viragem. Se até aqui as redes que disponibilizavam controle de tráfego aéreo virtual faziam-no tendo uma base comum, utilizando o mesmo software de base e os mesmos procedimentos técnicos, chegou a hora em que os seus caminhos se separam.
Na VATSIM está em desenvolvimento um “package” totalmente novo de software para assim substituir o que vem sendo utilizado até aos nossos dias. Assim o SquawkBox Server deu lugar a um novo servidor de rede chamado FSD. O SquwakBox actual, e utilizado pelos pilotos, dará em breve o seu lugar ao novo SquawkBox 3 e finalmente o interface RADAR utilizado pelos controladores de tráfego aéreo virtuais, o ProController, já deu lugar à primeira versão do novo interface radar, o ASRC, uma ferramenta de trabalho extremamente potente e feita tendo por modelo os sistemas reais utilizados no ACC e Approach de Los Angeles. Entretanto está anunciada para o final do ano, Novembro, a nova versão de ASRC, a 1.2, que incluirá alguns dos requisitos solicitados pelos controladores de tráfego aéreo virtuais europeus. A juntar a tudo isto encontra-se também em fase de testes finais o Advanced Voice Controller o programa que irá substituir o “velhinho” RogerWilco.
Na IVAO está em curso um projecto para substituição do RogerWilco pelo TeamSpeak como software base de voz. Em tempos foi lançado um programa para o estudo e substituição do cliente RADAR utilizado nesta rede mas o estado do mesmo é nesta altura incerto.
Como se pode ver projectos e empenho não faltam o que é bom indicador da saúde e vitalidade futura das principais redes!
O trabalho dedicado de todos quantos dão o seu tempo para que o “céu virtual” seja uma realidade é essencial para que se possa concretizar o lema que a Microsoft criou para o seu Flight Simulator… “As real as it gets”!

Links recomendados:
http://www.vatsim.net/
http://www.ivao.org/
http://www.nvas.net/
http://www.portugal-vacc.org/
http://www.ivao-pt.org/

Miguel Branco da Silva
Controlador de Tráfego Aéreo Virtual

Comments are closed.